A importância da leitura na Educação Infantil

* Rita Kelly da Silva Santos [1]

Resumo: O presente trabalho traz como temática a importância da leitura na Educação Infantil. Tendo como  objetivo a análise da leitura na educação infantil, relacionando-a com o desenvolvimento da criança e reconhecendo a importância de formar leitores competentes. Apresenta também uma reflexão de como o professor pode trabalhar com crianças incentivando-as a adentrar no mundo da leitura como uma possibilidade a mais de  desenvolver seu potencial de análise crítica da realidade.  Com essa pesquisa, baseada em obras bibliográficas ficaram melhor explicitadas as formas de trabalhar com as crianças e a importância que tem a leitura na educação infantil.

Palavras-chave: Leitura. Incentivo. Compreensão. Livros. Desenvolvimento Infantil.

Introdução

Desenvolver o hábito da leitura desde a infância é fundamental, para que se possam formar cidadãos ativos e capazes de construir uma sociedade mais crítica e consciente.  A atuação dos pais e educadores nessa fase da educação infantil é imprescindível. É importante que a criança se familiarize e manuseie livros desde seu primeiro ano de vida. Através da leitura as crianças interagem com o ambiente em que estão inseridos e compreendem melhor o mundo. A importância da leitura na educação infantil está relacionada com o saber docente, já que este trata dos processos de ensino e de aprendizagem dos alunos, sejam eles desde a educação infantil até o ensino superior.  Portanto, o artigo irá abordar qual a importância da leitura na educação infantil; com os objetivos de direcionar para a análise da leitura na educação infantil, relacionando-a com o desenvolvimento da criança e reconhecendo a importância de formar leitores competentes. Apresenta também a reflexão de como o professor pode trabalhar com as crianças incentivando-as a adentrar no mundo da leitura como uma possibilidade a mais de que as crianças venham a desenvolver seu potencial de análise crítica da realidade.

A escolha por esse tema deu-se pelo fato de que as crianças de modo geral, utilizam mais as tecnologias para jogos e afins, e se desinteressam pela leitura. Pois se sabe que este desinteresse pela leitura, acarretará problemas futuros, dentre eles dificuldades em produzir e interpretar textos, e ainda se tornar um indivíduo com dificuldades em compreender de forma crítica a sociedade em que vive. Este artigo, é organizado com suporte em pesquisa bibliográfica, busca aprofundar o assunto em questão, através de leituras, análises e reflexões de produções de autores diversos que debatem o assunto.

Construindo leitores

A leitura deve ser introduzida de forma natural no dia a dia das crianças, desde quando são bebês. Os pais e educadores devem estar atentos à faixa etária, já que quando são bem pequenos o ideal é que as histórias sejam rápidas e curtas, com gravuras simples e atrativas. Existem diversos tipos de livros, feitos de pano, plástico e que vêm com fantoches, que são ideais para despertar a curiosidade dos mais novos, livros de banho que podem ser usados durante o banho, livros com som, toque e sinta, livros com adesivos, com olhinhos, dessa forma a criança ficará interessada em manusear. A leitura não deve ser algo imposto, deve-se respeitar o limite de cada criança, dispor livros e ler para a criança deve ser algo natural. Ao ler para uma criança faça perguntas, encene vozes, e estimule conversas em torno da história lida. Faça do momento de leitura um momento prazeroso para os pequenos.

Desde muito pequenos através das leituras cotidianas, é que a criança constrói sistemas de referência com o qual dá uma significação ao mundo. Todos os seres humanos elaboraram este sistema como linguagem diária para viver, falar e compreender os acontecimentos ao nosso redor, fazendo da leitura um aprendizado natural, que produz novos conhecimentos, ou seja, referências do mundo em que vivemos. Como colocado acima, a leitura exerce um papel fundamental, porque tudo ao nosso redor se traduz por atos de leitura. O Blog Árvore de Livros destaca alguns importantes benefícios da leitura para as crianças, na fase da vida infantil:  Ao compartilharem a intimidade gostosa do momento da leitura, a criança e o adulto fortalecem os laços afetivos; Crianças que são expostas à leitura desde antes da idade Pré-escolar têm mais chances de se sair bem em todas as fases da educação formal; Ao acompanhar a voz do narrador e observar a articulação e os sons das palavras, a criança se sente motivada a imitar o adulto e a falar corretamente; A criança desenvolve as habilidades de comunicação e amplia seu vocabulário; O pensamento lógico da criança é incentivado; Ouvindo histórias, a criança desenvolve a capacidade de concentração e a disciplina; A criança aprende a lidar com as emoções narradas nas histórias. (2016).

A leitura deve tornar-se um hábito na vida das crianças, pois assim tendo contato já no berçário com os livros e a leitura, quando a criança tornar-se um estudante terá mais facilidade na aprendizagem.

Se tratando da construção de bons leitores, é importante refletir sobre a literatura infantil (um gênero literário), mais especificamente dos contos de fadas. Esses que fazem sucesso entre as crianças sejam eles atuais ou até mesmo da época de seus pais. Na maioria das vezes todos começam com “era uma vez” e no final “viveram felizes para sempre”. Acredita-se que as crianças gostam muito dos contos de fadas por que eles falam com uma linguagem emocional em que a criança se encontra. As crianças não se cansam de ouvir histórias de contos de fadas, a ideia dos contos cria uma esperança de que as coisas na vida podem dar certo e elas podem ter sucesso em suas dificuldades. Existe uma fase da vida das crianças em que elas adoram usar fantasias, brincar com situações imaginárias e também escutar histórias imaginárias que têm nos contos de fadas. A Psicóloga e Coordenadora do Ambulatório da Associação Pró-reintegração Social da Criança, Roberta Barbero Gabriotti, em sua publicação no site Associação Criança, argumenta que,

A história dos contos de fadas a ajuda a lidar com as dificuldades do seu dia-a-dia, como: rivalidade entre irmãos, inveja, medo, relação com os pais, inferioridade, vingança, etc., e por isso elas pedem para ler diversas vezes a mesma história.

Utilizando os pensamentos mágicos das personagens, a criança fica aliviada por sentir raiva e ter outros sentimentos destrutivos em relação a uma bruxa malvada, sentir medo de um lobo voraz ou orgulho de um príncipe que consegue salvar a princesa e chega a um final feliz.

Como na vida, nos contos de fadas, o medo gerado por uma punição é fator limitador de crimes, por essa razão é que nas histórias, as pessoas más sempre perdem, tornando o herói ou a heroína mais atraente para criança.

As crianças se identificam com a coragem do príncipe, a sabedoria do rei, a fragilidade da princesa e a maldade da bruxa. Todos nós temos estas características em diversas situações de nossa vida.

Uma história prende a atenção, desperta a curiosidade, a imaginação e a criatividade, promove o enriquecimento na vida interior da criança, auxiliando-a a entender melhor as suas emoções. Assim como nas brincadeiras, as fantasias e os contos de fadas têm um papel importante no seu desenvolvimento emocional. (03/2009).

Hoje a dimensão da literatura infantil, é muito mais ampla e importante na construção de leitores. A criança necessita que sejam ofertadas a ela sugestões em forma simbólica para que possa resolver as questões de sua vida e crescer criticamente. Conforme Chalita, (2003, pg. 10). “Sem o passaporte mágico, dessas narrativas, é difícil conceber viagens, aventuras, temores, medos e receios imaginários fundamentais ao nosso desenvolvimento intelectual e emocional’’. É através dos tão famosos contos de fadas que as crianças aprendem infinitos assuntos, descobrem lugares, outros jeitos de agir diante de situações e agem diante dos problemas de infância. A leitura possibilita a inserção da criança no mundo, para que se relacione bem com os demais que a rodeiam, obtenha conhecimentos, e se comunique eficientemente.

A leitura é parte da vida cotidiana de todos os seres humanos, pode-se disponibilizar inclusive para as crianças rótulos de embalagens que não são mais utilizadas, revistas, jornais, receitas caseiras e outros materiais do cotidiano que também são significativos e nesses materiais pode-se desenvolver o gosto pela leitura. Já que podem descobrir a magia de ler, descobrir um mundo novo cheio de informações, conhecimentos e novas possibilidades, para que sintam-se livres para trilhar seu próprio caminho com autonomia. Porém, de acordo com Sandroni e Machado (1991, p.16) “o amor pelos livros não é coisa que apareça de repente”. É preciso ajudar a criança a descobrir o que os livros e a leitura podem oferecer. Assim, pais e professores têm um papel fundamental nesta descoberta: serem estimuladores e incentivadores da leitura, pois, só assim construiremos novos e bons leitores.

As crianças aprendem a ler lendo, e aprendem o gosto pela leitura diversificando os diversos gêneros literários. O gosto por certo gênero de leitura se dará ao longo da trajetória de cada criança, e esse gosto estará ligado a suas experiências com os livros desde seus primeiros contatos e seus primeiros anos de vida.  Experiências muito comuns à primeira vista, mas de grande importância, porque despertam as crianças para o universo da leitura e da literatura infantil, passando pelo caminho da alfabetização.

É preciso de incentivo para a leitura: papel dos pais e educadores

Os livros podem proporcionar ao leitor, ou seja, à criança em questão um caminho que amplia o universo cultural, pois, permite entrar em contato com as situações desconhecidas, aí está a importância de o educador selecionar textos e histórias bem instigantes que sejam um misto de mistério, de comédia, que estimule a imaginação, e de preferência que seja uma aventura interessante. É tarefa do educador incentivar a construção de bons leitores. Criando grupos de leitura, de teatro, trocas de livros, práticas pedagógicas como construção do cantinho da leitura, roda de conversa, leitura coletiva, leitura de imagens através de cartazes, pesquisas em jornais e revistas, confecção de cartazes, jogos pedagógicos envolvendo a leitura são as melhores práticas para a formação de bons leitores.

Quando um professor lê um conto para seus alunos, eles não aprendem apenas os conteúdos das histórias e suas características, mas também como as pessoas utilizam a leitura, os comportamentos leitores e a compartilhar práticas sociais de leitura. Muitas vezes os professores pensam que as crianças só aprendem a ler se realizarem atividades que envolvam as letras. Com certeza, há momentos em que devemos propor atividades de leitura que permitam às crianças refletir sobre o sistema de escrita, mas só isso não é suficiente! Temos de promover a entrada dos diversos textos na escola para que as crianças aprendam as competências necessárias para a leitura na vida cotidiana. (FONSECA, 2012, p.29)

A escola deve ter a missão de estimular a leitura desde cedo para que a criança se desenvolva e tome gosto pelo ato de ler.

Quando contamos histórias, permitimos que as crianças observem especificidades da linguagem oral, que compreendam a postura do narrador de histórias – a ação dos narradores. Elas observam que, quando o professor narra oralmente, ele gesticula, muda de voz, faz expressões diferentes com o rosto, olha nos olhos, improvisa, muda parte da história (retira ou 12 acrescenta algo, dependendo do dia, do público, de como ele mesmo está, do tempo que tem para contar), aproveita do que fica subentendido e implícito pela própria expressividade. Com a narrativa oral aguçamos a curiosidade da criança para que ela pegue o livro (do qual a história foi retirada) para reencontrá-la num momento individual e perceba as diferenças entre a oralidade e a escrita. Ao narrar oralmente, trabalhamos com a memória e com o coletivo. (FONSECA, 2012, p.148)

É na educação infantil que tudo se inicia, por isso o fato do incentivo familiar é fundamental até mesmo antes da criança adentrar na escola. Por isso, é importante que os pais fortaleçam o trabalho de leitura com as crianças. Mostrem  a elas os livros quando leem, entregue os livros para que a criança possa elas mesma manusear e olhar.

De acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais (BRASIL, 1998, p. 47), a leitura tem como finalidade a formação de leitores competentes, que pode ser entendido como leitores que usam desse recurso para atender suas necessidades ou exercer atos de cidadania. Aos educadores fica a importante missão de desenvolver seu trabalho na educação infantil, etapa educacional essencial para que as crianças ampliem suas capacidades de forma significativa, já que pretende-se ofertar uma educação de qualidade, capaz de formar cidadãos letrados, e não apenas estudantes que leem por obrigação, e que tornem-se analfabetos funcionais. Ao ler deve-se sentir prazer e que principalmente entenda o que esta sendo lido.

Na educação infantil o educador deve estar atendo, já que a criança deve desenvolver competências nessa etapa da educação. O Referencial Curricular Nacional, dentro do eixo linguagem oral e escrita, tem como objetivos e conteúdos orientações didáticas para a Educação Infantil atendendo às expectativas esperadas nessa faixa etária ressaltando que o ensino da leitura e escrita fazem parte de um processo com participações em práticas sociais de leitura e escrita (BRASIL, 1998b, p. 123). Alguns dos objetivos esperados para o ensino da leitura na Educação Infantil são citados no RCNEI

a) Ampliar gradativamente suas possibilidades de comunicação e expressão, interessando-se por conhecer vários gêneros orais e escritos e participando de diversas situações de intercâmbio social nas quais possa contar suas vivências, ouvir de as outras pessoas, elaborar e responder perguntas; b) Familiarizar com a escrita por meio de manuseio de livros, revistas e outros portadores de textos e da vivência de diversas situações nas quais seu uso se faça necessário; c) Escutar textos lidos, apreciando a leitura pelo professor; d) Escolher os livros para ler e apreciar. (BRASIL, 1998b, p. 131).

Uma tarefa que se parece simples, porém, na verdade é muito além do que mandar um livro para casa e dizer para seu aluno leia, faça um resumo e traga-o amanhã na escola. Interessante, seria que antes mesmo do educador entregar um livro, deixasse  que o aluno escolhesse  um livro de sua preferência,  levar os alunos até a biblioteca, e ler  lá mesmo.  O educador têm muitas ferramentas para incentivar seu aluno com a leitura, basta contribuir de forma correta e utilizar os suportes disponíveis para sua prática.

Conclusão

O artigo pretendeu suscitar a importância da leitura na educação infantil, com os objetivos de direcionar os estudos para a análise da leitura na educação infantil, relacionando-a com o desenvolvimento da criança e reconhecendo a importância de formar leitores competentes. Ofereceu uma reflexão de como o professor pode trabalhar com as crianças incentivando-as a adentrar no mundo da leitura como uma possibilidade a mais de que as crianças venham a desenvolver seu potencial de análise crítica da realidade.

A escolha por esse tema deu-se pelo fato de que as crianças de modo geral, utilizam mais as tecnologias para jogos e afins, e se desinteressam pela leitura. Ao fazer o uso das pesquisas bibliográficas, pôde-se perceber que está nas mãos dos pais e educadores proporcionar momentos de leitura a seus filhos e alunos, e o quão importante é dar possiblidades de exploração e manuseio de livros. Com bastante flexibilidade deixando à criança com o tempo dela, para que o momento de leitura não seja pré-estabelecido sem nenhuma flexibilidade.

O presente estudo relata que se o professor precisa acreditar que além de informar, instruir ou ensinar, o livro pode dar prazer, encontrará meios de mostrar isso a criança. E ela vai se interessar por ele, vai querer buscar no livro esta alegria e prazer. Tudo está em ter a chance de conhecer a grande magia que o livro proporciona. Enfim, a leitura infantil é um amplo campo de estudos que exige do professor conhecimento para saber dizer quais os livros às crianças, gerando um momento propicio de prazer a estimulação para a leitura. O desenvolvimento de interesses e hábitos permanentes de leitura é um processo constante, que principia no lar, aperfeiçoa-se na escola e continua pela a vida a fora.

Referências

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua portuguesa. Brasília: MEC/SEF, 1998a, v. 2.

CHALITA, G. Pedagogia do Amor. A contribuição das histórias universais para à formação de valores da nova geração. São Paulo: Gente, 2003.

FONSECA, Edi. Interações: com olhos de ler, apontamentos sobre a leitura para a prática do professor da educação infantil. São Paulo: Blucher, 2012. –(Coleção Interações).

GABRIOTTI, Roberta Barbero. A importância dos Contos de Fadas (03/2019). Disponível em: <http://www.associacaocrianca.org.br/Espaco-crianca-familia/A-importancia-dos-contos-de-fadas.aspx>. Acesso em: 23 out. 2019.

QUAL a importância da leitura na educação infantil? 5 benefícios de incentivar esse hábito. Blog Árvore de Livros. 2016. Disponível em: <http://blog.arvoredelivros.com.br/educacao/importancia-leitura-educacao-infantil/.>. Acesso em: 10 out. 2019.

SANDRONI, Laura, Machado, Luiz. A criança e o livro. São Paulo: Editora Ática, 1991.

______. Referencial curricular nacional para a educação infantil. Brasília: MEC/SEF, 1998, v. 3.

[1] Licenciada em Pedagogia, da Universidade de Passo Fundo. E-mail: 160004@upf.br. Artigo elaborado para conclusão do curso de Graduação em Pedagogia, da Universidade de Passo Fundo, do Campus Soledade, outubro 2019.