Aumento do ICMS irá impactar no bolso dos gaúchos a partir desta sexta-feira (01)

A mudança deve afetar a energia elétrica, gasolina, roupas, telefonia, bebidas e televisão por assinatura

Por Redação em 31/12/2015

   

(Foto: Arquivo / ClicSoledade)
Aumento do ICMS irá impactar no bolso dos gaúchos a partir desta sexta-feira (01)

A vida dos gaúchos vai se tornar mais cara a partir desta sexta-feira, 01. É quando começam a valer as novas alíquotas de ICMS aprovadas pelo governo do Estado na Assembleia Legislativa em setembro, por apenas um voto de diferença.

Os projetos aprovados elevam 17% para 18% a alíquota básica do ICMS, que é aplicada a operações e prestações de serviços sem alíquota específica. Já as alíquotas sobre energia elétrica, álcool, gasolina e telefonia fixa e móvel subirão de 25% para 30%. A alta é válida por três anos.

Também serão elevadas em dois pontos percentuais, até 2025, as alíquotas sobre cerveja, chope e outras bebidas alcoólicas, refrigerantes, cigarros e assemelhados, perfumaria e cosméticos, além de serviço de TV por assinatura.

Conforme projeção de economistas, mesmo os itens que não tiveram as alíquotas alteradas – como os produtos da cesta básica – terão aumento de preço no próximo ano. Isso tudo por causa do chamado efeito “cascata”.

Segundo cálculos da Federação do Comércio de Bens e de Serviços do Estado - Fecomércio/RS, o peso extra no orçamento mensal de uma família de classe média chegará a 4,6%. Ou seja, o tarifaço do governo irá corroer quase metade dos ganhos com reajustes salariais obtidos pelos trabalhadores em 2015, que foi de 9,82%, conforme dados do Dieese para os acordos coletivos fechados no primeiro semestre.

Com o reajuste do ICMS, a Secretaria da Fazenda projeta um incremento na receita líquida para o Estado de quase R$ 1,9 bilhão por ano. A medida está entre as ações de ajuste fiscal do Estado, mas ainda insuficiente para cobrir o déficit financeiro previsto para 2016 em R$ 4,6 bilhões, agravada pela queda de arrecadação em ano de crise.

Apesar de a arrecadação aumentar significativamente para os municípios, os quais recebem um retorno sobre o ICMS, a alternativa estadual não deve ser comemorada. A renda fica comprometida devido aos aumentos em necessidades básicas da população.

   
O Portal ClicSoledade não se responsabiliza pelo uso indevido dos comentários para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade desse as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causadas ou não por este uso inadequado.

Publicidade