Mobilização da AMASBI garante repasse de verbas ao Hospital de Soledade

Audiência com Secretário Estadual de Saúde obteve resultados positivos para os municípios do Botucaraí

Por Fernando Martins em 31/10/2017

   

(Foto: Fernando Martins / ClicSoledade)
Mobilização da AMASBI garante repasse de verbas ao Hospital de Soledade

Através de uma articulação da Associação dos Municípios do Ato da Serra do Botucaraí – AMASBI, lideranças dos municípios da região participam nesta terça-feira, 31/10, de uma audiência com o Secretário de Estado da Saúde, João Gabbardo dos Reis. O encontro aconteceu na sede da SES, em Porto Alegre.

Participaram representantes do Poder Executivo de Soledade, Barros Cassal, Fontoura Xavier, Ibirapuitã, Mormaço. Também somaram-se ao grupo secretários de saúde, vereadores e representantes do Hospital de Caridade Frei Clemente. Na pauta, a reivindicação para que o Governo do Estado quite as verbas pendentes com a casa de saúde de Soledade, que está com funcionários em greve e enfrenta um delicado momento em suas finanças.

O prefeito de Soledade e presidente da AMASBI, Paulo Ricardo Cattaneo, explicou o cenário enfrentado pelo nosocômio. Ele reforçou que os municípios estão fazendo o máximo para auxiliar o hospital. “Entretanto é necessário que o Estado faça sua parte para que o hospital possibilite continuar atendendo com excelência a população regional”, comentou.

De igual forma, o administrador do HCFC Adairto Forti e o vice-presidente Carlos Alberto Rocha conclamaram à Gabbardo que algum repasse fosse feito especialmente para que sejam quitados os salários dos funcionários.

João Gabbardo confirmou que vai entrar na conta do hospital ainda na terça-feira, 31/10, cerca de R$ 200 mil, oriundos de repasses que o governo possui em débito com a casa de saúde soledadense. A comitiva regional comemorou o anúncio do secretário.

Na oportunidade, os prefeitos também reivindicaram ao secretário o pagamento em dia de recursos. Colocaram a situação enfrentada pelas prefeituras, que mesmo com poucos repasses, aumentam a cada dia sua responsabilidade de atender a população, mas não recebem os valores exponencialmente ao aumento de obrigações.

Tanto Gabbardo como Cattaneo falaram de uma reunião feita pela FAMURS com o Governo do Estado, onde Sartori firmou palavra para financiar valores devidos aos municípios referentes a anos anteriores. Estes recursos somam cerca de R$ 240 milhões, que vão ser pagos ao longo dos 12 meses de 2018. O Piratini possui R$ 420 milhões em atraso com programas municipais de saúde, mas sugeriu quitar apenas R$ 240 milhões, referentes aos anos de 2015 a 2017, em 12 parcelas de R$ 20 milhões a partir de janeiro de 2018. Os repasses que ficaram em haver da gestão de Tarso Genro, no valor de R$ 180 milhões, não estão no calendário de pagamentos do governo do Estado.

O secretário ainda declarou estar esperançoso de que com a renegociação da dívida do RS, no próximo ano seja possível fazer todos os repasses sempre em dia.

Mobilização que faz a diferença
Ao final do encontro, o presidente da AMASBI disse estar contente com o debate e os compromissos assumidos. Ele considera que a força de lideranças da região é essencial para que os pleitos, tanto da saúde como das demais áreas, sejam defendidos com ênfase perante os entes governamentais.

De igual forma, o líder municipalista regional reafirmou que a entidade continuará trabalhando, sem medir esforços para que o serviço de saúde, tanto no hospital como nas secretarias municipais de saúde, tenham avanços diários.

Regionalização dos partos
Também na audiência com Gabbardo, o Hospital de Caridade Frei Clemente assinou documentação referente a regionalização dos partos. A medida prevê que estes procedimentos em gestantes de municípios da região sejam concentrados na casa de saúde de Soledade e com isso o hospital receba valores a título de incentivo.

De acordo com o administrador Adairto Forti, o HCFC é a primeira entidade de saúde do RS a formalizar junto a SES a oferta deste tipo de serviço.

   
O Portal ClicSoledade não se responsabiliza pelo uso indevido dos comentários para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade desse as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causadas ou não por este uso inadequado.

Publicidade