Usuários consomem LSD pelo globo ocular na Espanha

Novo método, adotado para antecipar início das alucinações, pode causar cegueira.

Por Bruno Quevedo em 05/01/2010
nao. (Foto: )

As autoridades de saúde da Espanha detectaram uma nova forma de consumo de drogas entre os usuários do país: a aplicação de LSD no globo ocular.

Segundo um relatório oficial, a técnica, que começou a ser detectada no final do ano passado, estaria sendo utilizada pelos usuários para acelerar os efeitos alucinógenos da droga, e seria mais barata que o método usual.

De acordo com o documento, produzido pela Federação para o Estudo, Prevenção e Assistência aos Dependentes de Drogas (Fepad), o consumo do LSD por via oral levaria pelo menos 40 minutos para produzir os primeiros efeitos.

Já com a nova técnica, para a qual seria usada uma quantidade muito menor da substância, as primeiras alucinações ocorreriam em cerca de 15 minutos.

Riscos

O método de consumo de drogas pelo globo ocular consiste na aplicação do LSD sobre a conjuntiva - uma membrana que recobre a parte externa do olho e a parte interna da pálpebra - com a ajuda de um pequeno pedaço de papel.

Ao entrar em contato com a mucosa ocular, a droga se dissolveria de maneira rápida. Segundo o relatório, esta forma de consumo acelera os efeitos da droga porque, ao não passar pelo fígado, que processa o que é ingerido por via oral, a substância chega mais rápido ao sistema nervoso central.

A Fepad alerta que o método, que foi registrado na região de Valência, pode causar diversos efeitos nocivos. O LSD é uma substância que gera fortíssimas alucinações, altera a percepção e leva à perda de controle, podendo causar danos ao sistema nervoso central.

Além disso, a nova técnica de consumo da droga também pode ocasionar cegueira, de acordo com o organismo.

Fonte: G1, da BBC

   
O Portal ClicSoledade não se responsabiliza pelo uso indevido dos comentários para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade desse as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causadas ou não por este uso inadequado.

Publicidade