Pontes provisórias em Fontoura Xavier poderão ser construídas pelo exército

Solução provisória do problema

Por Redação em 28/01/2010
nao. (Foto: Cassia Lopes)
Pontes provisórias em Fontoura Xavier poderão ser construídas pelo exército

Com o intuito de agilizar e resolver o problema enfrentado pelas comunidades e população dos municípios de Fontoura Xavier, Barros Cassal e Progresso, apresentado com a queda das pontes de ligação entre esses municípios na enxurrada, o prefeito municipal de Fontoura Xavier José Flávio Godoy da Rosa esteve, juntamente com demais lideranças, solicitando em Brasília o auxílio do exército para a construção de duas pontes provisórias até a aprovação e liberação de recursos para a reconstrução das pontes destruídas no início deste ano.

Em resposta do Governo Federal, Fontoura Xavier recebeu nesta terça-feira (26) a visita do Capitão Da Cás, Sargento Aosani e dos Tenentes Vasconcelos e Buarque do exército de Cachoeira do Sul.

Na oportunidade estiveram analisando os locais das pontes para a viabilidade da construção de pontes flutuantes, que, basicamente, é uma estrutura de metal sustentada por botes de borracha ou contêineres.

Na Barra do Duduia, onde havia ponte com acesso ao município de Progresso, a equipe encontrou a comunidade mobilizada e otimista com esta possibilidade apresentada. Estavam presentes os secretários municipais de Fontoura Xavier de Obras José Carlos Pinto e de Agricultura Adilar Gradaschi, vice prefeito e prefeito em exercício de Progresso Luiz Fernando Dalcin e o prefeito municipal Edegar Cerbaro.

A ponte de ligação de Fontoura Xavier com Progresso media aproximadamente 107 metros de cumprimento e neste local foi onde o jovem Jucinei de Brum, de apenas 19 anos, acabou morrendo afogado no último dia 17. Em seguida, o exército se deslocou até a ponte de ligação de Fontoura Xavier com Barros Cassal que media em torno de 74 metros.

De acordo com o Tenente Vasconcelos, a construção de pontes flutuantes seriam a alternativa emergencial adotada pelo exército, caso seja aprovado pelos superiores.

A vinda do exército é o primeiro passo para a solução provisória do problema, porém existem diversas questões a serem discutidas e aprovadas para que seja realizado. “Estamos aqui para fazer uma avaliação e reconhecimento dos locais para construção das pontes. No entanto, não depende de nós afirmar que será realizada a obra. Faremos um estudo e um relatório do local, que será repassado aos nossos supervisores”, explica o Tenente. Segundo ele, após a confirmação, a construção é rápida, sendo três dias para cada ponte e um dia para os ajustes finais.


Prefeitura deverá custear despesas

Um dos empecilhos encontrados na viabilização deste projeto é a questão financeira. De acordo com o exército, todas as despesas deverão ser custeadas pela prefeitura municipal, desde transporte do material de Cachoeira do Sul até Fontoura Xavier, alojamento para os 120 homens que executarão o projeto, alimentação, iluminação nos locais de construção das pontes, construção de vias de acesso para transporte dos caminhões, entre outras despesas.

Além disso, a ponte provisória tem um prazo máximo de permanência de até 1 ano, sendo que serão necessários 20 homens em cada ponte do exército para fiscalização de peso máximo para travessia, manutenção e, em caso de novas enxurradas, retirada do material.

Com base nisso, o prefeito municipal afirma buscar auxílio financeiro junto ao Ministério dos Transportes. Ainda não há data prevista para a resposta da aprovação ou não do projeto.

   
O Portal ClicSoledade não se responsabiliza pelo uso indevido dos comentários para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade desse as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causadas ou não por este uso inadequado.

Publicidade