Mulheres 2010

As mudanças de ser e agir destas novas mulheres

Por Mariana Teixeira em 09/03/2010

   

nao. (Foto: Divulgação)
Mulheres 2010

As mulheres atualmente já não são mais as mesmas, o que não é nenhuma novidade. Elas assumiram o poder em todos os aspectos de suas vidas, dentro de um longo processo que passa pelo império masculino, a liberação feminina, a igualdade de direitos, as discriminações ainda existentes, enfim, tudo isto acarretou mudanças externas e internas em cada mulher, de cada geração, que hoje ainda vivem, lutando pelos seus direitos, equilibrando seus deveres e ainda assim, sem perder a graça e a sutileza de simplesmente ser uma mulher.
Mesmo aquelas que ainda são dependentes financeiramente, se enquadram entre estas mulheres do novo século, visto que esta é uma maneira de sujeição variada dos séculos passados, exigindo além de entrega pessoal, um pouco de dom em dominação.


Entrevistamos mulheres de gerações diferentes, com personalidades únicas, cada qual com sua profissão, com modos diferentes de enxergar o futuro, mas que mostram um pouco da força e da feminilidade existente nos dias atuais:

“Geralmente, ouve-se falar que as mulheres, a cada transição de idade, sofrem crises de identidade que se agravam à medida que avançam décadas: de trinta para quarenta, de quarenta para cinquenta, etc.
Tenho cinquenta e cinco anos, portanto vivi duas transições e caminho para mais uma, rumo aos sessenta anos. A experiência mostrou-me que não dói nada avançar pelo tempo adentro, mais numa espécie de transmutação de nós mesmas do que num processo degenerativo. Talvez pense desta maneira porque, antes de qualquer coisa, busco estar bem comigo mesma, sem me importar com concepções do senso comum.
Gonzaguinha, em uma música lindíssima, diz exatamente o que eu diria, caso fosse poeta: “Hoje eu me gosto muito mais, porque me entendo muito mais também...”

(Celeste, 55 anos)


“O peso da responsabilidade das escolhas que definir