Inter segura empate contra o Deportivo Quito na altitude equatoriana

Colorado foi pressionado no segundo tempo, mas conquistou um ponto.

Por Bruno Quevedo em 12/03/2010

   

nao. (Foto: Dolores Ochoa, AP)
Inter segura empate contra o Deportivo Quito na altitude equatoriana

por Eduardo Cecconi

O Inter empatou com o Deportivo Quito em 1 a 1, nesta madrugada de sexta-feira, pela segunda rodada do Grupo 5 da Copa Libertadores 2010.

A partida, iniciada no final da noite de quinta, ocorreu no Estádio Olímpico Atahualpa, em Quito, capital do Equador.

Giuliano, aos 39min do 1º tempo, marcou o gol do Inter.
Com o empate, o Inter soma 4 pontos, e está na 2ª colocação da chave. O Cerro-URU, que bateu o Emelec, lidera o Grupo 5 com 6 pontos, e 100% de aproveitamento.
Instrução bem compreendida

Ainda no Brasil, durante os treinos da semana, os jogadores do Inter revelaram a estratégia do técnico Jorge Fossati para explorar os 2,8 mil metros de altitude de Quito: chutar a gol.

Foram poucas as jogadas com passes e infiltrações. Qualquer bola recebida era prontamente disparada na direção do gol defendido por Ibarra.
Alecsandro e Giuliano foram os que mais arriscaram. Já a estratégia do adversário era diferente: explorar a velocidade de Arroyo.

Aos 33min, ele partiu para cima de Bruno Silva, dentro da área, e bateu cruzado. Após confusão, Minda se antecipou aos zagueiros e abriu o placar para o Deportivo Quito.

Seis minutos depois, entretanto, o plano de Fossati surtiu efeito. Alecsandro concluiu de longe, acertando a trave direita. No rebote, a bola escapou de Edu, mas não de Giuliano: 1 a 1.

Um erro para a posteridade

Por pouco o árbitro colombiano José Buitrago não inscreveu seu nome na história da Copa Libertadores, como protagonista de um dos erros mais absurdos de arbitragem. Aos 7min do 2º tempo, ele marcou um incompreensível pênalti para o Deportivo Quito.

No lance, o goleiro Pato Abbondanzieri segurava a bola quando foi derrubado pelo adversário. Sofreu a falta. Mas Buitrago inverteu, e apontou para a marca do pênalti.

Experiente, Pato impediu uma revolta irada dos companheiros, protegeu a arbitragem, e argumentou. O juiz colombiano consultou um auxiliar, que confirmou a versão do goleiro colorado, e desfez a marcação. O pênalti equivocado se transformou em falta para o Inter.

Pato, o personagem do jogo

Além de convencer a arbitragem do erro no lance do pênalti, durante todo o 2º tempo Pato defendeu o gol colorado com dores no tornozelo direito, lesionado em lance na etapa inicial. O problema auxiliou o argentino a fazer o tempo passar, sempre que pedia aos zagueiros para cobrar tiros de meta. A cera lhe custou um cartão amarelo.

Os equatorianos passaram a arriscar de qualquer distância, tentando surpreender o goleiro do Inter, que mancava de lado a outro. E assim o Deportivo foi conquistando faltas e escanteios.

Ainda assim, Pato fez boas
defesas, sempre espalmando em chutes e cabeçadas perigosas. Lances que compensam um erro cometido aos 27min, quando o goleiro deixou a bola escapar, e quase ofereceu um gol aos equatorianos.

Pressão equatoriana

O Inter praticamente não deixou o próprio campo no segundo tempo. O Deportivo pressionou, enquanto o time de Jorge Fossati apenas se defendia.

O treinador do Inter fez duas alterações. Tirou o atacante Edu e o meia Giuliano, para as entradas respectivas do meia D'Alessandro e do volante Wilson Mathias. No final, Taison ainda substituiu Alecsandro.

Apesar do assédio do Deportivo, o Inter suportou a pressão, e segurou o empate na altitude de Quito. Aos 46min, ainda houve tempo para Abbondanzieri salvar milagrosamente o Inter, em cobrança de falta.

Próximo jogo

O Inter volta a jogar às 17h deste domingo, pelo Gauchão 2010. Será fora de casa, contra o Veranópolis, na serra gaúcha.
Pela Copa Libertadores 2010, a próxima partida do Inter está marcada para o dia 18 de março, uma quinta-feira.

O adversário é o Cerro-URU, em Rivera, no Uruguai.

Fonte: zerohora.com

   
O Portal ClicSoledade não se responsabiliza pelo uso indevido dos comentários para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade desse as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causadas ou não por este uso inadequado.

Publicidade