Glifosato: para surpresa da Bancada do Agronegócio, Camex antecipa reunião

Por Redação em 05/04/2010

   

nao. (Foto: Divulgação)
Glifosato: para surpresa da Bancada do Agronegócio, Camex antecipa reunião

O governo decidiu antecipar a reunião do Conselho de Ministros da Câmara de Comércio Exterior (Camex). O encontro que estava agendado para terça-feira (6) será nesta segunda-feira (5), às 16h, no Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), em Brasília. Entre os temas em pauta estará a taxação da importação do glifosato chinês.

Surpresos com a antecipação, os líderes da Bancada do Agronegócio no Congresso Nacional temem que o governo ceda a pressão da multinacional Monsanto e crie um preço de referência para importação do produto da China. A empresa defende a tarifação de US$ 4,60 por kg/l importado. Contrário a medida e defensor da extinção da sobretaxa que atualmente está em 2,1%, o deputado federal Luis Carlos Heinze (PP-RS) ressalta que caso isso ocorra os agricultores brasileiros terão que arcar com uma conta de mais de US$ 800 milhões.

O parlamentar gaúcho destaca que o aumento da alíquota representará não só elevação dos custos de produção das lavouras, mas também terá reflexos sobre o valor da cesta básica e, consequentemente, da inflação. “Esperamos que os ministros considerem não apenas os aspectos políticos dessa mudança, como também os econômicos, pois o preço dos alimentos poderá subir”, evidencia.

Heinze acrescenta também que outros países, como a Argentina, Austrália e os da União Européia, negaram pedido semelhante da Monsanto. Ele questiona se só o Brasil irá ceder. “Em todos os países essa proposta foi negada, será que o governo brasileiro será o único a contrariar as leis de mercado para proteger os interesses da Monsanto?”.

   
O Portal ClicSoledade não se responsabiliza pelo uso indevido dos comentários para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade desse as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causadas ou não por este uso inadequado.

Publicidade