Colheita da soja está em ritmo acelerado

Por Redação em 08/04/2010
nao. (Foto: Alessandra Pasinato)
Colheita da soja está em ritmo acelerado

A colheita da soja a colheita segue em ritmo acelerado e bem acima da média para esta época, alcançando 45% do total, contra 35% de anos anteriores. Segundo o Informativo Conjuntural elaborado pela Emater/RS-Ascar as lavouras têm atingido a maturação cedo, encurtando o ciclo e ficando prontas para a colheita antes do previsto. Com isso, é possível que esta safra seja encerrada com 15 ou 20 dias de antecipação. Segundo os técnicos, em alguns casos são necessários mutirões de máquinas para uma colheita mais rápida, para não haver perdas na qualidade pelo excesso de exposição do produto às intempéries. Além disso, os volumes retirados estão bem maiores que anos anteriores.

A evolução da colheita da 2ª safra de feijão no RS foi de oito pontos percentuais, beneficiada pelas boas atividades meteorológicas do período. O desenvolvimento da lavoura é estável e com boas perspectivas de produção, pois as condições gerais a campo permanecem favoráveis, com bons níveis de insolação e umidade no solo. Nessa segunda opção de produção de feijão no Estado produtores de algumas regiões, como no Médio Alto Uruguai, cultivam em parte maiores de sua área de safrinha feijão de cores (cerca de 65%), em substituição ao tradicional preto, especialmente a variedade Carioca, com mercado no Sudeste e Nordeste do país, visando melhores negócios e maior remuneração.

Seguem em ritmo normal as colheitas do arroz e do milho. O percentual de área de arroz colhida alcança 64% sobre o total cultivado e tendo ainda 22% já maduros e prontos para a colheita. Na comparação com anos anteriores, a safra atual se encontra atrasada, registrando cerca de 14% de lavouras nas fases de floração e enchimento de grãos, e as produtividades obtidas nas colheitas mais recentes estão entre 5 e 6 mil kg/ha como média. Já o milho evoluiu dentro de um ritmo considerado normal e a colheita alcança 59%. Outros 18% se encontram maduros e podem ser colhidos a qualquer momento. Em relação às safras passadas, a atual se encontra muito próxima, não registrando maiores descompassos em relação às fases evolutivas. Já em relação às produtividades obtidas, seguramente esta deverá ficar bem acima das anteriores.

As condições climáticas se mantiveram normais para a estação, beneficiando os hortigranjeiros em geral. Essa situação melhorou o desenvolvimento e aprontamento das olerícolas e frutas, propiciando maiores volumes de oferta, com a consequente queda de preços para muitos produtos.

Na região do Vale do Caí, principal produtora de citros do Estado, encaminha-se para o final o raleio das bergamoteiras, já com 85% das frutinhas retiradas. A colheita da bergamota variedade Satsuma, fruta com pouca acidez e sem sementes, já atinge 40 %, com o preço recebido pelos citricultores estabilizado na média de R$11,00/cx de 25 kg. Nesta semana, iniciou a comercialização da laranja variedade do Céu e da laranja variedade umbigo Bahia. As primeiras caixas da do Céu foram comercializadas em média a R$9,00 a caixa, enquanto a laranja umbigo Bahia teve as primeiras caixas comercializadas na média a R$27,50 (preço ao citricultor). A lima ácida Tahiti está sendo comercializada em média a R$ 13,00/cx.

O mercado do leite, nestes últimos períodos, vem apresentando uma serie de elevações segundo vem apurando a Emater/RS–Ascar no levantamento realizado nas principais zonas de produção do Estado. O preço médio passou de R$ 0,58 para R$ 0,59 para o litro, alta de 1,72% no período. Já na bovinocultura de corte, com o aumento da oferta de amimais nos principais mercados de Estado, os preços médios praticados apresentaram pouca variação neste ultimo período. A vaca gorda apresentou pequena variação, passando de R$ 2,16 para R$ 2,15 o kg vivo, uma queda de 0,46% e o boi gordo teve seu preço médio inalterado em R$ 2,43 o kg vivo.

   
O Portal ClicSoledade não se responsabiliza pelo uso indevido dos comentários para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade desse as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causadas ou não por este uso inadequado.

Publicidade