Produtores intensificam colheitas no Estado

Por Redação em 21/04/2010

   

nao. (Foto: João Alberto de Souza)
Produtores intensificam colheitas no Estado

No milho a colheita avançou oito pontos percentuais durante a semana, elevando para 67% o total da área já ceifada posicionando a colheita dez pontos percentuais à frente da média. As boas condições meteorológicas verificadas, com dias ensolarados e secos têm feito com que os trabalhos de campo transcorram de maneira tranqüila para os produtores, que só não intensificam mais a retirada dos grãos maduros das lavouras, pela preferência que dão à soja no momento. Conforme o Informativo Conjuntural, elaborado pela Emater/RS-Ascar, as lavouras do tarde seguem mantendo os rendimentos, e até superando, os bons resultados (produtividades) obtidos até aqui, dando fortes indícios que a produtividade média estadual possa ser modificada para mais até a finalização da colheita.

Das culturas em fase de colheita a soja é a que apresenta o ritmo mais intenso. Nesta semana, os produtores conseguiram avançar vinte e sete pontos percentuais. Segundo os técnicos da Emater/RS-Ascar, isso é significativo, pois, pela série histórica, sem a ocorrência de chuvas, o ritmo médio de colheita nesta época gira ao redor de 20% do total da área. Em uma semana os produtores gaúchos conseguiram colher algo como um milhão de hectares. O total de área colhida chega a 72%. Dezoito pontos à frente da média dos últimos cinco anos. Assim como no milho, as colheitas recentes têm sido bastante satisfatórias ficando muita vezes acima das primeiras.

O desenvolvimento do feijão da 2ª safra prossegue normalmente, com boa evolução em todas as suas atuais fases. A área colhida já chega aos 25%, mantendo o percentual da safra anterior para o período. A tendência é de uma safrinha muito boa.

No arroz, os produtores alcançarem 70% de área colhida. Ao contrário do que ocorre no momento com as outras culturas, nesse grão ainda se percebe um ligeiro atraso na evolução das lavouras, com cerca de 9% delas em fase de enchimento de grãos, quando na média deveria estar em 2%. Essa situação é fruto das dificuldades enfrentadas pelos orizicultores à época da implantação das lavouras, muitas delas semeadas no fim do período recomendado. Nestas, o potencial produtivo apresentado tem sido menor que aquelas semeadas em tempo hábil.

Inicia a colheita da safra de aipim na Serra que, de maneira geral, está com bons rendimentos e qualidade na produção e as plantas com boa sanidade e desenvolvimento. Em alguns pontos, onde a concentração de umidade é maior, as raízes demonstram pequenas anomalias. Ainda na região Serrana se intensifica a colheita da safra de goiaba com frutos de boa qualidade, aspecto e sanidade. Os rendimentos dos pomares estão superando a média histórica. Os atuais preços médios são de R$ 0,50/kg para a indústria, de R$ 0,75/kg para o de 2ª e de R$ 1,30/kg para o de 1ª.

No Sul do Estado, a safra da batata se apresenta em pleno desenvolvimento. A comercialização da safra anterior está com preços variados, com a saca de 50 kg em Cristal caindo para R$ 55,00 e se mantendo nos R$ 40,00 em Pelotas.

O mercado de ovinos apresentou reação favorável em relação ao seu preço médio praticado segundo apurou o levantamento de preços realizado pela Emater/RS-Ascar nas principais praças de comercialização do produto. O preço médio recuperou parte da queda de 3,08% ocorrida no período anterior quando o produto caiu de R$ 2,27 para R$ 2,20 o kg vivo, atualmente a média se situa em R$ 2,24, 1,83% superior as preços médios praticados no período anterior. O tempo mais seco continua favorecendo uma melhor condição sanitária do rebanho geral, fazendo diminuir o nível de infestação causado pelos parasitas internos comuns aos ovinos assim como os casos de manqueira, doença que ocorre nos casco principalmente em animais manejados em áreas com excesso de umidade.

   
O Portal ClicSoledade não se responsabiliza pelo uso indevido dos comentários para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade desse as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causadas ou não por este uso inadequado.

Publicidade