Hamm reivindica ao presidente da CBF que o RS seja sede da Copa das Confederações

Ricardo Teixeira diz que as cidades-sedes para Copa 2014 não serão reduzidas

Por Redação em 27/05/2010
nao. (Foto: Márcia Marinho)
Hamm reivindica ao presidente da CBF que o RS seja sede da Copa das Confederações

Os preparativos para o Brasil sediar a Copa do Mundo de 2014 foram pautados em audiência pública realizada no final da tarde de quarta-feira, dia 26, na Comissão de Turismo e Desporto (CTD) da Câmara dos Deputados, em Brasília. O tema foi abordado pelo presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Ricardo Teixeira. A proposta foi do deputado federal Afonso Hamm (PP-RS), autor do requerimento nº 216/2010.

Com otimismo, Afonso Hamm destacou sobre a importância de o Brasil voltar às atenções aos preparativos do mega evento esportivo mundial. Ele lembra que a comissão teve participação no início dos preparativos deste evento com a realização dos Fóruns Legislativos, realizados em 2009, período em que presidiu a comissão.

Ricardo Teixeira comentou que as 12 cidades-sede escolhidas para sediar a Copa do Mundo de 2014 da Federação Internacional de Futebol (Fifa) devem ser mantidas. Ele comentou que os boatos de reduzir o número de cidades não passam de especulações. No entanto, enfatizou sobre a necessidade dos responsáveis por cada arena comprovarem a viabilidade econômica dos estádios serem concluídos dentro dos prazos previstos. O presidente lembrou que inicialmente a FIFA planejava apenas 10 cidades e a pedido do Comitê Organizador inclui mais dois Estados importantes no aspecto do turismo brasileiro - Amazônia e o Pantanal mato-grossense. Assim o evento também está programado no Rio Grande do Sul (Porto Alegre), Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Brasília, Curitiba, Salvador, Recife, Natal e Fortaleza. Teixeira também informou que ainda não tem a definição de quais Estados que servirão de cenário para abertura e encerramento do evento.

O deputado aclamou para que o ano de 2010 não seja perdido nos preparativos e que as obras em estádios e aeroportos tenham inicio.

Teixeira disse que o impacto financeiro da Copa do Mundo de 2014 sobre a economia no País deverá chegar a R$ 47 bilhões, sendo que R$ 33 bilhões deverão ser investidos em infraestrutura e serviços e R$ 5 bilhões, em consumo. A perspectiva é de movimentar três milhões de turistas nacionais e 600 mil estrangeiros. A estimativa é a criação de mais de 300 mil empregos permanentes até 2014 e mais cerca de 400 mil temporários durante os jogos.


Copa das Confederações no RS

Na oportunidade, Teixeira comentou sobre as obras nos estádios. Ele destacou que inicialmente a preparação dos estádios é para a Copa das Confederações, que será realizada em 2013 no Brasil. Para esse atrativo esportivo, pelo menos cinco estádios terão que estar prontos em dezembro de 2012 ou início de 2013 para receber os jogos. “A escolha dependerá do andamento das obras preparativas”, assinalou.

Afonso Hamm aproveitou a presença de Teixeira para sugerir que o Rio Grande do Sul seja uma das sedes da Copa das Confederações em 2013. O deputado comenta que o RS tem condições para ser o palco das partidas, tendo em vista que o Beira Rio está à frente dos demais com o inicio das obras. “O Rio Grande do Sul terá grande chance devido aos preparativos terem iniciado, alem disso, servirá de importante aquecimento para Copa 2014.

Hamm finalizou dizendo que o Brasil terá uma grande copa coroada de êxitos e vitória.


Isenção fiscal

O presidente Luís Inácio Lula da Silva assinou no dia 26, o projeto de lei que concede isenções fiscais à Fifa e ao Comitê Organizador Local (COL) da Copa do Mundo 2014, bem como da Copa das Confederações 2013. Ele também assinou um projeto de lei complementar tratando da isenção do ISS, que é de competência dos municípios e do Distrito Federal, e o decreto que institui o Comitê Nacional de Proteção de Direitos da Copa do Mundo 2014, para proteção da propriedade intelectual e dos direitos comerciais da Fifa no país. O governo encaminhou as matérias para o Congresso Nacional.

Hamm destaca a importância dessas medidas para que o Governo Federal cumpra com os compromissos assumidos junto à Fifa. Ele aponta sobre a necessidade dos parlamentares acelerarem a tramitação das propostas e aprovarem. “A desoneração será muito importante principalmente para os estádios iniciarem as obras”, assinala.

Ricardo Teixeira disse que, caso o Congresso não aprove o pacote de isenções fiscais para a Copa do Mundo a Copa será inviabilizada.

   
O Portal ClicSoledade não se responsabiliza pelo uso indevido dos comentários para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade desse as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causadas ou não por este uso inadequado.

Publicidade