Nos pênaltis, Paraguai elimina Japão e faz história

Após 0 a 0 em jogo sofrível, paraguaios chegam pela primeira vez às quartas de final em Copa. Sul-americanos predominam no Mundial

Por Redação em 29/06/2010

   

nao. (Foto: Divulgação)
Nos pênaltis, Paraguai elimina Japão e faz história

O jogo foi muito ruim, o espaço destinado ao público apresentava mais de 10 mil lugares vazios, mas a seleção paraguaia fez história mesmo assim: após 0 a 0 no tempo normal e na prorrogação, venceu o Japão nos pênaltis nesta terça-feira, no estádio Loftus Versefld, em Pretória, e chegou pela primeira vez às quartas-de-final de uma Copa do Mundo.

Na próxima fase, o Paraguai enfrentará o vencedor do confronto entre Espanha e Portugal, que jogam a partir das 15h30 desta terça-feira, com acompanhamento em tempo real do iG. O jogo dos paraguaios pelas quartas de final acontece no sábado, às 15h30.

Com a vitória paraguaia, a América do Sul terá quatro representantes entre as oito melhores seleções da Copa — Brasil, Argentina e Uruguai já estavam no grupo. O Paraguai já tinha chegado às oitavas de final de Copas do Mundo em outras três oportunidades, mas nunca havia superado esta etapa.

No início do jogo, com as duas equipe mais preocupadas em marcar do que em criar, o primeiro tempo foi difícil de assistir. Não fossem dois bons lances entre 20 e 22 minutos, um de cada uma das seleções, a torcida presente ao Loftus Versefld poderia nem ter percebido o início da partida.

Na segunda etapa, o panorama não mudou muito: os paraguaios até passaram a tomar mais iniciativa para buscar o ataque. O reflexo disso aparecia nas estatísticas de posse de bola — os sul-americanos chegaram a ter 65% —, mas não em chances de gol.

A prorrogação, que era evidentemente questão de tempo, chegou. E o jogo melhorou. Tanto japoneses como paraguaios pareciam não querer esperar os pênaltis e criaram, em apenas 15 minutos do tempo complementar, mais chances do que haviam criado em 90.

Na segunda etapa da prorrogação, com exceção de um bom lance japonês, tudo voltou “ao normal”. E, assim como o tempo complementar parecia inevitável no segundo tempo, a disputa de pênaltis virou questão de tempo na prorrogação.

Na disputa de penalidades, a incompetência vista durante os 120 minutos de jogo diminuiu: apenas o japonês Komano desperdiçou sua cobrança, consolidando ainda mais o predomínio sul-americano na Copa do Mundo da África do Sul.


Fonte: ig.com.br

   
O Portal ClicSoledade não se responsabiliza pelo uso indevido dos comentários para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade desse as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causadas ou não por este uso inadequado.

Publicidade