Conquista, a melhor fase de um relacionamento

Um jogo, não para ganhar do outro, e sim ganhar o outro

Por Redação em 20/05/2009

   

nao. (Foto: Divulgação)
Conquista, a melhor fase de um relacionamento

Um relacionamento entre duas pessoas é composto de fases, assim como outras coisas na vida. Dentro destas fases, a conquista implica na mais divertida e imprevista delas. Como se fosse um jogo, o indivíduo faz o que for necessário para ganhar, neste caso não do outro, mas sim o outro.

Como um jogo de xadrez

Ao começar a partida, ambos os lados possuem forças iguais em quantidade e qualidade. No entanto, no transcurso do jogo, este equilíbrio inicial se quebra e são criadas assimetrias e desníveis.

Isto seria a definição do jogo de xadrez, já no jogo da conquista, isto poderia ser entendido como o equilíbrio entre o homem e a mulher, afinal, ainda existem paradigmas sobre o fato da mulher querer chegar até o homem primeiro.

A mulher deve apenas dar a indicação que o homem pode flertar com ela, sem exageros, tudo muito singelo e discreto”, afirma M.O. 22 anos.

Eu nunca chego, apenas dou um sinal, assim ele opta por querer ou não me paquerar”, diz J.B. 18 anos.

Há ainda quem pense ao contrário, como A.C.V. de 27 anos: “Adoro quando a mulher toma à dianteira, poupa bastante para a gente”. Neste caso, as mulheres seriam as peças brancas do tabuleiro, que iniciam o jogo.

A dama

No jogo de xadrez, a dama tem a movimentação mais poderosa de todas as peças do jogo, ela se desloca em qualquer direção, seus movimentos podem imitar quase todas as peças.

No jogo da conquista isto pode até possuir uma dose de verdade, já que tomando a iniciativa ou não, ela é quem decide se vai dar a chance de ser assediada, fora seu charme natural para dar indiretas aos homens. Afinal, mulheres são mais detalhistas, sabem arquitetar, planejar e, até mesmo, manipular uma situação em que queiram se encontrar. Diferente dos homens, que agem mais por instinto, e são bem objetivos do que esperam de alguém.

Xeque

Tudo, ou quase tudo, vale na arte da conquista. Sejam olhares, atitudes, gestos, enfim, existe uma série de artifícios que podem ser utilizados para receber a atenção de quem se deseja, mas sem esquecer que a satisfação pessoal jamais pode ser passada por cima dos sentimentos dos outros.

Mate

Em muitos casos, após a conquista, surge um relacionamento, que dele pode derivar paixão, amor, e até uma grande amizade, mas isso já significa outras fases de uma relação.

Fui acompanhar minha amiga em um exame de gravidez. Então acabei conhecendo um amigo do seu namorado, que se encantou por mim, e mais tarde foi me buscar na aula. Eu estava louca de vontade de comer nega maluca, então compramos e fomos comer na casa dele. Nosso namoro acabou durando dois anos”, conta T.V. 24 anos.

Há ainda, casos que não se desenvolvem, e que a conquista não vai muito além de um dia.

Fui pra outra cidade assistir um arrancadão. Lá avistei a morena mais linda que já vi e resolvi investir, trocamos olhares e tomei coragem de ir até ela. Após bastante conversarmos, combinei de encontrá-la na festa mais tarde. Chegou à noite e eu estava com dois amigos que não sabiam que eu havia combinado de me encontrar com a morena. Ela passou, e eles logo perceberam sua presença, então me aproveitei da situação e apostei um litro de uísque que era capaz de beijá-la quando chegasse nela. E beijei muito, durante boa parte da noite, até o momento em que troquei o nome dela pelo de outra. Foi trágico, nunca mais vi a morena, pelo menos ganhei o prêmio da aposta que serviu de consolo”, relata L.P. 34 anos.

O tabuleiro da vida

Conquistar alguém vai além da sedução, exige confiança. E principalmente respeito entre ambos, para que haja a chance de um relacionamento nascer, pois a primeira impressão realmente é a que fica, e a história de como um casal se conhece perdura por muitas gerações.

   
O Portal ClicSoledade não se responsabiliza pelo uso indevido dos comentários para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade desse as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causadas ou não por este uso inadequado.

Publicidade