Mulheres cuja beleza foge de estereótipos costumam ter uma grata surpresa

Amadas por homens que valorizam suas características, elas contam suas histórias

Por Redação em 09/08/2010
nao. (Foto: Divulgação)
Mulheres cuja beleza foge de estereótipos costumam ter uma grata surpresa

“As feias que me perdoem, mas beleza é fundamental”, tascou Vinicius de Moraes, sem mais questionamentos. Mas que beleza é essa? Lugares-comuns (seios avantajados, por exemplo) rondam as preferências masculinas. A publicidade, as novelas e as revistas de moda reforçam esses clichês e fazem com que as mulheres cheinhas, com cabelos curtos ou crespos, entre outras, sejam sub-representadas no imaginário nacional. Afortunadas são as que assumem o corpo com profundo desdém pelos estereótipos.

É o caso de Lívia Farias, 23 anos, bem-sucedida modelo plus size.

— Ser gordinha nunca foi um problema e sempre tive os namorados que quis — garante.

Casada há cinco anos, é completamente segura quanto à sua beleza.

— Não vejo nenhum problema em ela ser um pouco mais gordinha. Esses detalhes não importam. Ainda mais ela, que sempre está bonita para mim — reforça o marido, Fábio Daniel Carvalho, 30 anos, administrador.

Todavia, uma corrente de pesquisadores entende que a busca por certos padrões estéticos tem razão de ser. De acordo com o terapeuta de casais Fábio Caló, os estereótipos — masculinos e femininos — remetem à manutenção da espécie.

— O homem sempre buscou traços que identifiquem a mulher escolhida como boa reprodutora. Por isso, quadril largo é preferência masculina em qualquer povo.

Do ponto de vista feminino, a aparência é mais facilmente relativizada.

— As mulheres buscam, de forma evolutiva, a segurança, seja na estabilidade financeira e profissional, ou na expectativa de que possa formar uma família — enfatiza o terapeuta.

A obsessão pela magreza parece ser a mais cruel patrulha estética, confirma Simone Fiúza, 24, outro exemplo de mulher que, mesmo com mais peso, arrasa nas passarelas. Há sete anos no mercado plus size, ela conta que durante toda a adolescência lutou contra o estigma de gordinha.

— Já sofri muito. Hoje, namoro há um ano e sou muito feliz.

O namorado, o músico Michel Gutto, 25, confessa que os seus namoros anteriores foram com mulheres mais magras.

— Senti pressão dos meus amigos quando comecei a namorar a Simone. Agora, que estou com ela, vi que as gordinhas são completas e que até o sexo é mais gostoso.

Clichê até a raiz dos cabelos

Além do peso, há outros estereótipos. Por exemplo: cabelos longos e lisos são mais desejados.

— Muitas acham que o poder de seduzir está no cabelão. Porém as mais independente cortam mesmo — assegura a cabeleireira Isabela Ferrugem.

Casado com a funcionária pública Anne Cristina da Silva, 38, o auxiliar de gerência de riscos Carlos Camilo dos Santos, 26, é quem lembra à mulher que o momento de cortar os fios chegou.

— Ela mudou a minha opinião sobre os cabelos curtos. Ficou mais bonita, mais jovem — afima.

Anne diminuiu a cabeleira há um ano. E garante: o comprimento reduzido é um chamariz para os homens mais jovens.

— Eu tinha muito trabalho em arrumar o meu cabelo longo. Agora, não tenho mais e ele adora — completa.

O foco não pode estar na aparência

Ragnar Paz, 31 anos, não nega que acha sua mulher, Ana Lúcia Oliveira, 30, bem mais atraente com os cabelos curtos.

— Gosto muito mais agora.

O DJ diz que, além da beleza, vê que ela tem menos trabalho em cuidar dos cabelos. Ana, que é assistente de recursos humanos, lembra que a decisão de cortar foi radical.

— Foi há três anos. Resolvi cortar de uma vez. Agora, gasto menos e gosto mais — confessa.

Se os longos já brigam de perto com os curtos, os louros ainda dominam. Se antes eles imperavam porque os homens assim o queriam, agora eles fazem a cabeça delas porque elas assim o querem.

— Tem muitas que eu pergunto: será que seu namorado vai gostar? E elas respondem: ‘Não importa. Quem tem que gostar sou eu, não ele’ — conta Rosália Izuni Natsunaga, cabeleireira há 15 anos.

A profissional afirma que 70% das aplicações de tinturas no salão em que trabalha são de tons louros.

— Mas não acho que isso seja porque os homens gostam mais ou menos de louras. Até porque existem muitas mulheres louras que estão cansadas de verem tantas outras com o mesmo tom no cabelo e resolvem pintar de uma cor escura.

Louras ou morenas, gordas ou magras, há uma dica importante para todas as mulheres: o foco jamais pode ser na aparência.

— A beleza é, sim, um aspecto importante, até porque sempre buscamos o belo. Mas ele não pode ser o único a pautar a relação — aponta o terapeuta Fábio Caló.

Segundo o especialista, os dois devem buscar pontos que os façam ter os mesmos objetivos.

— Quando eles se preocupam com esses elos que envolvem o futuro a dois, seja a compra de uma casa, a reforma do quarto do bebê ou outro plano, é que a relação consegue seguir por um caminho que preza pela união do casal, independentemente da aparência física”, conclui. E, para os homens, fica o alerta: não adianta colocar diversas exigências para encontrar a mulher ideal sem corresponder à altura.

— A gente está muito mais preocupada com a gentileza, com a inteligência e com o interior dos homens. Se não tiver isso, não adianta — completa Simone Fiúza.


Fonte: clicrbs.com.br

   
O Portal ClicSoledade não se responsabiliza pelo uso indevido dos comentários para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade desse as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causadas ou não por este uso inadequado.

Publicidade