Como proteger a saúde do ar seco

Clima favorece crises respiratórias e até problemas mais graves como o infarto

Por Redação em 24/08/2010

   

nao. (Foto: Divulgação)
Como proteger a saúde do ar seco

O clima de “Saara” predomina em nove Estados brasileiros e no Distrito Federal, alerta o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). A umidade relativa do ar beira a casa dos 30%, metade do que preconiza a Organização Mundial de Saúde (OMS) para não fazer mal ao organismo (60%) em São Paulo, Minas Gerais, Tocantins, Goiás, Distrito Federal, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Bahia, Pará e Rondônia.

O tempo seco, além de incômodo, aproxima problemas de saúde como rinite, asma e bronquite, além de outros mais sérios como infarto e acidente vascular cerebral (AVC).

A boa notícia é que algumas “receitas caseiras” ajudam a melhorar a qualidade do clima que chega aos pulmões. Colocar uma bacia cheia d’água no ambiente de trabalho – ou na sala e quarto – funciona mesmo, garantem os especialistas. Deixar o ambiente mais úmido é uma excelente maneira de evitar que os hospitais fiquem mais cheios. Dados da Secretaria Municipal de Saúde paulistana indicam que quando o ar está seco, o movimento na ala de inalação cresce em até 30%, com picos de 50% a mais de movimento.

Já para os casos de infarto e derrame a explicação da Sociedade Brasileira de Cardiologia é que o sangue fica mais denso, “entope” mais as veias e faz com que os acidentes vasculares cerebrais e panes no coração fiquem mais recorrentes. Se atrelado ao fenômeno de baixa umidade, a temperatura estiver alta, oito idosos morrem a mais por dia, já contabilizou o Laboratório de Poluição da Universidade de São Paulo (USP).

O acúmulo de poluentes é outra consequência ruim da temperatura seca. Os gases tóxicos não conseguem dispersar na atmosfera, o que deixa os olhos com mais ardência e a garganta seca, com pigarro.

Para aliviar os sintomas, a Secretaria de Saúde de São Paulo dá algumas dicas para lidar melhor com o ar seco:

• Crianças e idosos são os mais afetados pela baixa umidade do ar, por isso, é necessário atenção especial a esses dois grupos. Incentive a ingestão de bastante água (cerca de dois litros ao dia), além de sucos naturais feitos de maneira adequada e água de coco
• Também é importante manter a higiene doméstica. Evite o acúmulo de poeira, que desencadeia problemas alérgicos
• Prefira alimentos frescos e produzidos o mais próximo possível do horário de consumo. Substitua frituras por alimentos assados, assim como o sorvete de massa por picolé, especialmente de frutas. Queijos amarelos podem ser trocados por queijos brancos
• Durma em local arejado e umedecido. Isso contribui para uma noite de sono tranqüila (os ambientes podem ser umidificados com toalhas molhadas, reservatórios com água e até umidificadores)
• A pele também merece atenção especial neste período. Evite banhos com água muito quente, que ressecam a pele, e use, sempre que possível, um creme hidratante. Em caso de irritação das vias aéreas e dos olhos, use soro fisiológico para lavar os olhos e as narinas.


Fonte: ig.com.br

   
O Portal ClicSoledade não se responsabiliza pelo uso indevido dos comentários para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade desse as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causadas ou não por este uso inadequado.

Publicidade