Radiotelemetria é aplicada para conservação da fauna silvestre

Com a utilização dos equipamentos da radiotelemetria, os alunos rastrearam os sinais de rádio e encontraram os animais marcados na Floresta Nacional de Passo Fundo

Por Redação em 27/08/2010
nao. (Foto: Divulgação)
Radiotelemetria é aplicada para conservação da fauna silvestre

Alunos do curso de Especialização em Biologia da Conservação da
Natureza, oferecido pelo Instituto de Ciências Biológicas da
Universidade de Passo Fundo (UPF), conheceram e aplicaram no último
final de semana, 21 e 22 de agosto, a técnica da radiotelemetria.
Trabalhada na disciplina de Manejo e Conservação da Vida Silvestre, essa
técnica possibilita a obtenção de informações importantes sobre a
ecologia e comportamento das espécies da fauna silvestre, conhecimento
fundamental para bem delinear as estratégias de manejo das espécies,
buscando sua conservação.

As aulas práticas foram realizadas nos ambientes da Floresta Nacional de
Passo Fundo, importante unidade de conservação da natureza do Planalto
Médio do Rio Grande do Sul, protegendo cerca de 1.300 hectares. Após
conhecerem os equipamentos utilizados pela radiotelemetria, ou
biotelemetria como também é conhecida, que consistem basicamente de
pequenos rádios transmissores instalados nos animais, de rádio receptor
para captar os sinais emitidos, e de outros acessórios como antena e
cabo, os alunos puderam aplicar a técnica.

No formato de um pequeno colar, foram instalados rádios em dois modelos
da fauna silvestre, um felino e uma lebre, dispersos em uma área de
floresta nativa com cerca de 100 hectares, onde os alunos buscaram
encontrar as espécies pelo rastreamento dos sinais de rádio. A
eficiência da tecnologia fez com que os alunos, divididos em dois
grupos, encontrassem cada uma das espécies com poucos minutos de trabalho.

A radiotelemetria é uma importante ferramenta de pesquisa para se
estabelecer deslocamentos diários e sazonais das espécies animais, sua
área de vida onde busca alimentação e outras necessidades de seu ciclo
biológico, também podendo estabelecer rotas migratórias para o caso de
espécies migrantes. Segundo o professor Dr. Jaime Martinez, responsável
pela disciplina de Manejo e Conservação da Vida Silvestre, a técnica
pode ainda indicar áreas importantes ou prioritárias para a conservação
de espécies ameaçadas.

   
O Portal ClicSoledade não se responsabiliza pelo uso indevido dos comentários para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade desse as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causadas ou não por este uso inadequado.

Publicidade