Conversa alheia no celular não é só irritante, reduz a atenção

Estudo mostrou que ouvir metade de uma conversa pode distrair mais por ser menos previsível que um diálogo

Por Redação em 04/10/2010

   

nao. (Foto: Divulgação)
Conversa alheia no celular não é só irritante, reduz a atenção

Você já parou para pensar por que pode ser tão irritante ouvir apenas um lado de uma conversa ao telefone – e por que você se sente compelido a espreitar e ouvir o outro lado, mesmo sem perceber?

Lauren L. Emberson, candidata a Ph.D. em psicologia na Universidade Cornell, costumava se distrair tanto com conversas por celular escutadas no ônibus que ela não conseguia focar em seu livro. Isso a fez pensar se ouvir apenas metade de uma conversa – um “meiálogo”, segundo ela – poderia ser mais desconcertante do que ouvir a conversa toda.

Seu estudo solicitava que 24 estudantes realizassem tarefas que exigiam atenção constante, incluindo acompanhar um cursor numa tela e apertar um botão a cada vez que uma letra aparecesse na tela. Os voluntários deveriam ignorar os ruídos do fundo, que se alternavam entre uma conversa gravada, um “meiálogo”, um monólogo e o silêncio.

Os voluntários não foram distraídos pelas conversas ou pelo monólogo, mas seu desempenho nas tarefas foi seriamente prejudicado quando o som era o “meiálogo”, segundo o estudo, publicado no “Psychological Science”.

Emberson especulou que ouvir metade de uma conversa pode distrair mais por ser menos previsível que um diálogo, que segue padrões reconhecíveis.

“Quando o discurso é imprevisível, não conseguimos controlar a reação de nosso cérebro a ele – ele chama nossa atenção”, afirmou ela numa entrevista. “É mais difícil entender uma fala menos previsível; isso exige mais atenção, e isso tira a atenção de outras tarefas”.


Fonte: ig.com.br

   
O Portal ClicSoledade não se responsabiliza pelo uso indevido dos comentários para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade desse as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causadas ou não por este uso inadequado.

Publicidade