Mergulhe fundo nos 10 buracos mais fascinantes do mundo

Um buraco, seja ele provocado por forças naturais ou processos de escavação, pode ser um ponto turístico?

Por Redação em 03/11/2010

   

nao. (Foto: Divulgação)
Mergulhe fundo nos 10 buracos mais fascinantes do mundo

Um buraco, seja ele provocado por forças naturais ou processos de escavação, pode ser um ponto turístico? Antes de se indagar como isso seria possível ou responder que não, saiba que há pelo menos dez deles, espalhados em diversos pontos do planeta, capazes de tirar o fôlego de qualquer visitante. Se não por sua beleza, pela magnitude que possuem.

A pouco mais de 96 km de Belize, na América Central, fica o Grande Buraco Azul. Em uma olhada displicente, trata-se de uma mancha azul-marinho no oceano. Mas aquele que até então é considerado o maior buraco existente no mar tem 125 metros de profundidade e 300 metros de largura, formando um círculo quase perfeito. Tons de laranja que caem para o amarelo e depois afundam para o azul, passando pelo verde.

Em Wyoming, nos Estados Unidos, os turistas podem ver um meio arco-íris na piscina termal Morning Glory, no parque Yellowstone. Os tons coloridos são dados pelas algas que vivem ao redor do buraco. O único problema porém, é que o lugar corre o risco de perder as cores por causa das moedas jogadas ali por visitantes, o que provoca reações nas algas.

Entretanto, são as minas que promovem espetáculos que intrigam pela complexidade e beleza. Na lista dos dez buracos mais fascinantes do planeta feita pelo site Oddee, quatro deles são minas. A primeira é a Diavik Diamont, que fica no Norte do Canadá e produz oito milhões de quilates de diamantes por ano. É tão grande que possui um aeroporto, capaz de acomodar um Boeing 737.

Também na América do Norte se encontra a mina Bingham Canyon, fincada no condado de Salt Lake, Utah. Considerada a maior mina a céu aberto do mundo, é a segunda maior produtora de cobre dos EUA e o maior buraco escavado no mundo.

A vice-colocada é a mina Mirny Diamont, na Sibéria. São 525 metros de profundidade por 1.200 metros de diâmetro, que fizeram com que o espaço aéreo sobre ela fosse isolado para helicópteros, já que alguns foram sugados pelo fluxo de ar que paira na mina.

Kimberly, África do Sul, é tida como a capital mundial da indústria do diamante. Lá, encontra-se o Grande Buraco, de onde já foram retirados 14,5 milhões de quilates de diamantes, um deles com 83,5 quilates.

Imagens surpreendentes
Entre as construções, duas ganham destaque: Chand Baori, na Índia, e a represa de Monticello, na Califórnia (EUA). A primeira foi uma estratégia para resolver o problema de falta d'água na região. A fonte de água que os moradores encontraram escavando tem 30 metros de profundidade, são 13 andares abaixo do solo, cujo acesso é feito por meio de 3.500 degraus.

Também chamada de Buraco da Glória (em inglês, Glory Hole), a abertura na represa californiana atrai curiosos por ser inusitada. Aqui o acesso é restrito; não é permitido nadar ao seu redor e nem nas imediações.

Algumas vezes, são os acidentes que desenham - depois que o caos passa - paisagens interessantes. Exemplo disso é a cratera Darvaza Gas, no Turcomenistão, resultado de um acidente com uma sonda de perfuração de gás natural soviética nos anos 1950. A explosão provocou um buraco com 20 metros de profundidade que permanece em chamas até hoje.

Talvez a cratera mais assustadora dos últimos tempos seja a registrada na Guatemala neste ano. Após uma série de deslizamentos de terra, decorrentes da tempestade tropical Agatha, uma fenda de cerca de 60 metros engoliu um prédio de três andares, formando uma imagem surpreendente na Cidade da Guatemala.


Fonte: terra.com.br

   
O Portal ClicSoledade não se responsabiliza pelo uso indevido dos comentários para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade desse as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causadas ou não por este uso inadequado.

Publicidade