Fecoagro pede retirada de 2 milhões de toneladas de trigo do mercado

Presidente da entidade pediu apoio aos ministros da Agricultura e da Fazenda

Por Redação em 08/11/2010
nao. (Foto: Leandro Belles / Zero Hora)
Fecoagro pede retirada de 2 milhões de toneladas de trigo do mercado

A Federação das Cooperativas Agropecuárias do Rio Grande do Sul (FecoAgro/RS) encaminhou aos ministros da Agricultura, Wagner Rossi, e da Fazenda, Guido Mantega, documento solicitando medidas de apoio à comercialização
de trigo.

De acordo com o presidente da entidade, Rui Polidoro Pinto, há necessidade urgente de que sejam retiradas do mercado 2 milhões de toneladas, sendo um milhão de toneladas do Rio Grande do Sul e um milhão de toneladas do Paraná. Neste momento não há demanda pelo cereal, pois as indústrias estão abastecidas,o que praticamente paralisou a comercialização, explica o dirigente.

Entre as medidas pleiteadas pela FecoAgro/RS estão a liberação de leilões dePEP, sem prejuízos de outros instrumentos como EGF, AGF, PAA, entre outros, permitindo assim a retirada de produto e abrindo espaços nos armazéns para estocar a próxima safra de verão. Polidoro salienta ainda que no período de dezembro/2010 a março/2011 haverá espaço nos Portos para agilizar o processo de comercialização de trigo para outros mercados.

Conforme a FecoAgro/RS, o Rio Grande do Sul está colhendo uma boa safra de trigo, tanto em rendimento quanto em qualidade. Com 50% da colheita já realizada, vem se confirmando a estimativa inicial de 2.400 quilos/hectare, com um PH médio de 80, o que assegura uma colheita de 2 milhões de toneladas do grão. Os produtores utilizaram semente tipo pão em 70% da área semeada (acima de 800 mil ha) atendendo o pleito da indústria de panificação. As informações partem da FecoAgro/RS.


Fonte: cristal.am.br

   
O Portal ClicSoledade não se responsabiliza pelo uso indevido dos comentários para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade desse as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causadas ou não por este uso inadequado.

Publicidade