Tesouros egípcios ameaçados por protestos contra governo

Museus e pirâmides estão em riscos de saques e roubos. População tenta evitar perda do patrimônio histórico do país

Por Redação em 01/02/2011

   

nao. (Foto: Divulgação)
Tesouros egípcios ameaçados por protestos contra governo

Os protestos contra o governo do Egito podem ter um efeito colateral muito sério: a destruição ou dano de várias relíquias, obras e sítios arqueológicos da antiga civilização egípcia.

De acordo com as agências de notícias, desde domingo foram presos 50 homens acusados de tentar saquear mais uma vez o Museu do Cairo após o saque do fim de semana, que danificou duas múmias e dezenas de pequenos artefatos. Segundo o diretor do museu, Tarek El Awady, os saqueadores pareciam estar procurando apenas por ouro.

Relato no site enviado por fax

O diretor do Conselho Supremo de Antiguidades do Egito, Zahi Hawass, postou um relato em seu site sobre a atual situação do Museu do Cairo, saqueado durante o fim de semana pelos manifestantes, e sobre os sítios arqueológicos como Luxor, Saqqara e Alexandria.

De acordo com o texto, enviado à Europa via fax e postado de Londres, na sexta-feira o museu foi saqueado por um grupo de cerca de mil pessoas, que entraram pela lateral leste do edifício. O estrago, neste caso, foi pequeno: o grupo roubou apenas o que estava na loja do museu.

Ao mesmo tempo, um grupo de jovens e guardas, do lado de fora, impedia mais saqueadores de entrar. Mas dez deles conseguiram invadir o prédio principal pelo teto, que é coberto apenas por vidro, e quebraram pouco mais de uma dezena de estátuas e decapitaram duas múmias, atribuídas a Yuya and Tjuya, que foram recentemente identificados como avós do faraó Tutankamon.

Hawass disse à AP estar receoso quanto ao futuro do prédio, que fica do lado do quartel-geral do partido do governo egípcio, que foi incendiado no fim de semana. “O que me assusta é que, se o edifício desabar, ele atingirá o museu,” afirmou. O Museu do Cairo recebe milhões de turistas por ano e aloja milhares de artefatos, que compreendem toda a história da civilização egípcia, incluindo a exibição da múmia e da máscara funerária de Tutankamon.

No resto do país

Também segundo o relato de Hawass, a situação em outros locais ainda é incerta. De Saqqara, onde fica uma das maiores necrópoles do Egito, e onde a primeira pirâmide egípcia foi construída, o arqueólogo ainda não tinha notícias. Os armazéns de Abusir, ao norte de Saqqara, estavam abertos e sem proteção – seis caixas contendo antiguidades foram levadas.

Um grupo, dotado de armas e caminhões, saqueou um armazém que continha parte do acervo do museu de Porto Said, onde ficam artefatos do início da civilização egípcia. Outros locais que foram atacados, mas sem danos, foram o Museu Cóptico e Museu de El Manial, nos arredores do Cairo, o Museu Nacional de Alexandria e Museu das Joias Reais, ambos em Alexandria. No caso deste, seus funcionários conseguiram esconder todo o acervo no porão do edifício e o trancaram antes de sair dali.

As pirâmides de Gizé foram fechadas à visitação pelo Exército e estão sendo guardadas por grupos militares fortemente armados.

Em Luxor, no sul do país, onde fica o Vale dos Reis e templos importantes, moradores locais lutaram contra um grupo de assaltantes que tentaram invadir e roubar o armazém do Templo de Karnak, que fica na margem leste do Nilo. O bando teria chegado em dois carros às 3 horas de segunda-feira, armados de revólveres e facas, mas foram vencidos pelos moradores, que entregaram cinco dos saqueadores às autoridades.


Fonte: ig.com.br

   
O Portal ClicSoledade não se responsabiliza pelo uso indevido dos comentários para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade desse as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causadas ou não por este uso inadequado.

Publicidade