Estudante chinês revela que vendeu rim para comprar iPad 2

A saúde do garoto de 17 anos que vendeu o órgão por US$ 3 mil está em perigo

Por Redação em 03/06/2011

   

(Foto: Divulgação)
Estudante chinês revela que vendeu rim para comprar iPad 2

Um estudante de 17 anos relatou que decidiu vender um rim para poder comprar um iPad 2 na província de Anhui, no leste da China, e embora a operação tenha sido bem-sucedida, agora sua saúde está em perigo, informou nesta sexta-feira o site de notícias "NetEase".

O estudante, Zhen, contou que teve a ideia de se desfazer de seu órgão após ler na internet um anúncio que oferecia 20 mil iuanes (US$ 3 mil) por um rim e, como tinha muita vontade de comprar um iPad 2 mas não tinha dinheiro, decidiu aceitar a proposta, relata o site.

A cirurgia foi realizada na cidade de Chenzhou, na província central de Hunan, à qual Zhen se deslocou em 28 de abril sem comunicar a seus pais e, após três dias de internação, recebeu a soma de 22 mil iuanes (US$ 3.395).

Zhen revelou também que ao chegar a Chenzhou três pessoas o esperaram para levá-lo a um hospital, cujas instalações, segundo o "NetEase", não contam com os equipamentos necessários para operar, e acrescentou que seus pais souberam da sua "venda" pelo ferimento que deixou no corpo e pelo iPad 2 e o telefone celular que trouxe consigo para casa.

Após a descoberta, os pais tentaram localizar as pessoas que levaram Zhen ao hospital de Chenzhou, mas nenhuma respondeu, enquanto os funcionários da clínica disseram não saber nada sobre o caso, já que os quartos onde foi praticada a operação estão alugados a um empresário da província oriental de Fujian.

Até o momento, as autoridades não localizaram os compradores do rim de Zhen, cuja saúde, um mês após ter sido operado, se deteriorou.


Fonte: http://exame.abril.com.br

   
O Portal ClicSoledade não se responsabiliza pelo uso indevido dos comentários para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade desse as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causadas ou não por este uso inadequado.

Publicidade