As tendências para fugir do casamento tradicional

Tema retrô e casar de manhã são algumas das tendências dos casamentos que não se enquadram no kit-festa de sempre

Por Redação em 21/05/2012

   

(Foto: Divulgação)
As tendências para fugir do casamento tradicional

Nos próximos dois anos, cerca de 14 milhões de brasileiros planejam se casar. Mas nem todo mundo tem vontade de fazer o festão tradicional, com 600 convidados, bolo de três andares, bem-casado, DJ e a música “I Gotta Feeling”, do Black Eyed Peas, na playlist.

A historiadora Priscilla Santana, de 27 anos, é um exemplo. Quando decidiu oficializar a união com o professor de filosofia Rafael Santana, seu marido desde julho de 2011, a ideia inicial era fazer um almoço íntimo. Mas, à medida que foi pesquisando, a empolgação aumentou e ela decidiu fazer a celebração em um gramado.

“Aí eu descobri que a maioria dos casamentos era feita em pacotes de cerimoniais. Fiquei com raiva porque tudo era padronizado e não era o que eu queria”, conta. Vendo que as opções não a satisfaziam, e ainda tinham um preço alto, ela resolveu organizar seu próprio casório, com as comidas, a decoração e tudo mais que tinha a ver com ela e seu parceiro.

Contou com a ajuda de amigos, parentes e conhecidos para montar tudo que era do seu gosto. Durante o processo, criou um blog e, com o grande retorno de leitoras, ganhou alguns serviços de fornecedores que se engajaram na ideia.

Apesar de alguns problemas no percurso, como a ventania e a chuva que impediram que a cerimônia acontecesse na grama, como ela havia planejado, tudo foi um sucesso. “Depois da festa, muita gente ficou perguntando, eu passava muito tempo respondendo e-mails, dando dicas. Aí, uma noiva perguntou quanto eu cobrava para assessorar seu casamento. Ela deu uma insistida e eu aceitei”, diz Priscilla.

Atualmente, ela orienta oito noivas e, pra aceitar dar a consultoria, aplica um questionário para descobrir se sua proposta tem mesmo a ver com o casal. Se não tiver, ela nega a parceria. O preço varia de acordo com os prazos e serviços que ela vai executar, mas a média gira em torno de 2 mil reais.

“A assessoria completa consiste em estar ao lado da noiva pra tudo, tudo mesmo. Se precisar, faço convites, enrolo docinho, vou à costureira levar tecido, dou consultoria de conceito/estilo, monto a decoração”, afirma.

E, em seu contato com diferentes noivas, leitoras, publicações e pesquisas internet adentro, ela percebeu que, mesmo nos mais personalizados e alternativos, há elementos comuns que revelam tendências. Confira alguns deles.

Festas temáticas (principalmente retrô e lúdica)

O conceito é o principal para que o evento saia de acordo com o gosto e a personalidade dos noivos. Por isso, muita gente tem adotado temas que tenham a ver com o casal. Os principais, segundo Priscilla são o retrô e o lúdico. Para fazer a viagem no tempo – seja para a década de 60 ou de 20, vale pegar objetos antigos na casa dos pais ou esquecidos no fundo do baú.

Nos casórios que remetem à infância, carrinhos de cachorro-quente e os atualmente badalados cupcakes são exemplos das preferências dos noivos menos tradicionais.

Macaron

Além do tradicional bem-casado, os macarons, doces de origem francesa feitos de duas partes de uma massa parecida com merengue e recheadas com cremes de diversos sabores, são outra febre. Junto com os cupcakes, esses bolinhos de cores variadas estão, de acordo com Priscilla, fazendo com que o brigadeiro saia de campo – pelo menos nos casamentos atuais.

Escrever e declarar seus próprios votos

Em cerimônias civis ou religiosas, a fala padrão que os noivos costumam dizer um para o outro na troca de alianças não é mais suficiente. Os textos (ou votos) escritos e declamados um para o outro são uma influência das tradições americanas nos matrimônios brasileiros. Priscilla diz que muita gente tem buscado esse tipo de personalização e, quando não leem textos, as pessoas gostam de cantar para o parceiro.

Casar de manhã

Os casamentos brasileiros também estão sendo influenciados pela cultura americana no que diz respeito ao horário. Segundo Priscilla, as celebrações de manhã têm sido uma tendência entre aqueles que querem fugir do comum. Ela própria é um exemplo, já que se casou de dia, em Santa Tereza, no Rio de Janeiro. Essa preferência tem acontecido também por influência dos fotógrafos, que consideram a luz da manhã mais bonita para fazer as imagens.

Decoração provençal

As mesas feitas de madeira clara, de aparência rústica, porém elegante e delicada, com seus desenhos de flores e arabescos, são outra moda. Essa decoração provençal (oriunda da França), segundo Priscila, já está sendo usada até pelas noivas mais tradicionais, do chamado “kit-festa”.

“Até as noivas do ‘pacote’ querem ter uma torre de docinho provençal, com formas e suportes de madeirinha rendada”, diz. Na época do seu casamento, ela queria ter feito também, mas hoje agradece por não ter tido oportunidade. “O problema maior das coisas muito iguais é que causa um tédio visual. É chato.”, afirma.

Outra herança dos americanos é a organização de doces e bolo na mesma mesa. “Antes, o bolo e os doces ficavam em lugares diferentes e, agora, tudo é organizado no mesmo lugar, como nos Estados Unidos”, diz.

Economizar

Priscilla afirma que fazer um evento personalizado não é necessariamente mais barato do que aderir ao kit-festa dos cerimoniais, pois depende da preferência dos noivos. Ainda assim, ela diz que, no contexto atual, a economia é uma tendência porque, em geral, quem procura algo diferente está em uma fase preocupada com outras despesas além da festa.

“Antes, eram os pais da noiva que pagavam e tudo era feito dentro da visão de quem pagava. Agora, quem faz os casamentos são os noivos, que têm outros projetos e não podem esbanjar, e eles sabem que, se os pais pagarem, a preferência vai ser deles”, afirma.


Fonte: exame.abril.com.br

   
O Portal ClicSoledade não se responsabiliza pelo uso indevido dos comentários para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade desse as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causadas ou não por este uso inadequado.

Publicidade