Home ClicNews
Boa tarde, Sábado 23 de Agosto de 2014   
 
Qual a sua opinião sobre a possibilidade da alteração dos limites de velocidade, de 40 km/h para 50 km/h, em Soledade?

Sou a favor
Sou contra
Indiferente

 
 
29/04/2013 | Educação

Chance extra de passar de ano no Ensino Médio aprova minoria de alunos

Segundo um levantamento feito em mais de cem escolas por ZH, Diário de Santa Maria e Pioneiro, maior parte dos alunos não aproveitou a oportunidade de passar de ano no primeiro trimestre
  Fernanda Ramos / Diário de Santa Maria  
Um levantamento realizado por Zero Hora aponta que uma minoria aproveitou a chance de passar de ano ainda no primeiro trimestre de 2013, oferecida a alunos reprovados em escolas estaduais de Ensino Médio.

A oportunidade extra foi proposta pela Secretaria Estadual da Educação (SEC), como parte de uma reformulação do secundário iniciada em 2012 em turmas de 1º ano.

Pelas novas regras, os alunos que não obtiveram conceito satisfatório em uma das quatro áreas do conhecimento passaram a ser promovidos para o 2º ano, em um regime de progressão parcial. O ponto polêmico foi a orientação que a secretaria deu a respeito dos alunos que foram mal em mais de uma área do conhecimento e acabaram reprovados: eles deveriam passar por uma nova avaliação nas primeiras semanas de abril, capaz de catapultá-los para o 2º ano com o período letivo já em andamento.

A medida sofreu resistências e gerou controvérsia dentro das escolas, onde foi criticada como uma forma encontrada pelo governo de melhorar na marra os índices calamitosos de reprovação no Ensino Médio. O levantamento realizado por ZH indica que centenas de alunos aproveitaram essa nova chance e reverteram a reprovação de 2012. Mas a maior parte não quis participar ou não alcançou o desempenho necessário. Continuaram na condição de repetentes.

ZH buscou os dados sobre aprovação e reprovação diretamente com as escolas estaduais dos cinco maiores municípios gaúchos. Nem todas responderam ou aceitaram fornecer informações, mas mais de uma centena revelou seus números. Em Porto Alegre, no universo consultado, 37% dos alunos habilitados a participar do chamado avanço foram aprovados. Os índices mais baixos apareceram em Canoas (23%) e Caxias do Sul (24%). Os mais altos, em Pelotas e Santa Maria (ambas com 51% de aprovação).

— A grande maioria dos alunos iniciou com interesse mas, no decorrer das aulas, apresentou o mesmo comportamento do ano anterior: não estudaram e não entregaram tarefas — relata Fabiene Silveira, diretora da Escola Julio Grau, de Porto Alegre.

Por conta de algumas limitações, o levantamento de ZH dá uma ideia apenas aproximada do desempenho dos alunos — apesar disso, ele se justifica pela falta de dados oficiais até o momento. As distorções não dizem respeito somente ao fato de ter sido consultada uma amostra dos estabelecimentos estaduais. Outro fator a interferir no resultado é o fato de o número de alunos não aprovados no avanço obedecer a critérios diferentes, conforme a escola. Algumas delas repassaram o total de estudantes que estavam habilitados a receber a nova chance, incluindo aqueles que não quiseram aproveitá-la. Outras informaram somente o número de alunos que se inscreveram para participar. Em algumas, foi possível usar apenas o universo de secundaristas que efetivamente se submeteu aos exames de 2013.

Isso significa que os índices de aprovação podem ser menores do que os sugeridos pelo levantamento. Se fossem levados em conta todos os alunos reprovados em 2012 e que poderiam ter aproveitado a nova oportunidade de avançar para o 2º ano, a proporção de aprovados cairia. No caso de Caxias do Sul, por exemplo, a 4ª Coordenadoria Regional de Educação realizou um levantamento abrangente e chegou a um índice de aprovação inferior ao colhido por ZH. Na cidade, 2.532 alunos foram reprovados em 2012. Participaram do plano de avanço 2.083 deles (82,26%). Desses, 501 (24,05%) desistiram no meio do caminho, 1.126 (54,05%) foram reprovados e 456 (21,90%) passaram de ano.

Apesar das críticas, a nova oportunidade de passar de ano oferecida pela SEC tem amparo na Lei de Diretrizes e Bases. A professora da UFRGS Maria Beatriz Luce, integrante do Conselho Nacional de Educação (CNE) entre 2004 e 2012, considera um dever das escolas oferecer chances de recuperação:

— Uma avaliação bem feita é decisiva para uma inflexão no comportamento de um aluno.

Leia mais sobre o "Avanço Polêmico" no link:
http://zerohora.clicrbs.com.br/rs/geral/noticia/2013/04/chance-extra-de-passar-de-ano-no-ensino-medio-aprova-minoria-de-alunos-4120610.html
 
 
12/08/2014 | Educação
UPF oferece vagas remanescentes para cursos por meio do Pronatec
11/08/2014 | Educação
Unidade da Uergs Botucaraí recebe mobiliário
09/08/2014 | Educação
25ª CRE nomeia 13 professores aprovados no concurso de 2013
07/08/2014 | Educação
FUPF divulga relação de candidatos aprovados na lista de espera do Prouni 2014/02
06/08/2014 | Educação
UPF e Prefeitura de Soledade firmam parceria para desenvolvimento de uniformes escolares
 
15:39:18 | Trânsito
Acidente resulta em uma morte e sete feridos na BR-386 em Marques de Souza
09:53:37 | Previsão do Tempo
Chuva retorna ao Estado neste final de semana
09:42:04 | Segurança
Homem é baleado em São José do Herval
18:29:25 | Festival de Folclore
BAFOTITO esbanja habilidade e carisma no palco
17:13:28 | Festival de Folclore
Paraenses trouxeram o colorido e a alegria para Soledade
15:12:15 | Festival de Folclore
Argentina encanta público do Festival Internacional de Folclore
13:06:09 | Festival de Folclore
Grupo Garra expõe a beleza do Samba durante o Festival de Folclore
11:27:02 | Segurança
Polícia Civil realiza operação de combate as drogas em Tunas
09:27:49 | Previsão do Tempo
Temperatura deverá chegar aos 25°C nesta sexta-feira em Soledade
18:45:32 | Festival de Folclore
Alunos vibram com o Festival Internacional de Folclore
 
© 2005-2014 ClicSoledade Portal e Comunicação Ltda.
Todos os Direitos Reservados
Fale Conosco | Trabalhe no Clic