Bombeiros e Brigada Militar podem se separar no RS

Incêndio no Mercado Público de Porto Alegre e tragédia na boate Kiss fortaleceu a ideia

Por Douglas Perin em 05/08/2013

   

(Foto: Caco Argemi / Palácio Piratini)
Bombeiros e Brigada Militar podem se separar no RS

Bombeiros gaúchos já conseguiram 30 mil assinaturas no documento que solicita a desvinculação da Brigada Militar. Motivos financeiros seria o principal motivo da divisão de corporações.

O presidente da Associação dos Bombeiros do Estado do Rio Grande do Sul (Abergs), Ubirajara Pereira Ramos, em entrevista a Rádio Guaíba, disse que o movimento em prol da separação ganhou força no Estado. Já foram conseguidas 30 mil assinaturas em favor da desvinculação. “A nossa intenção com as assinaturas é dar subsídio aos parlamentares”

A primeira reunião do grupo de trabalho para analisar a desvinculação, deve ocorrer no dia 20 de agosto. A separação, segundo Ramos, é um caminho natural e preconizado na Constituição Federal. Ele usa como exemplo as separações do Detran, em 1996, e o Instituito-Geral de Perícias (IGP), em 1997, da Polícia Civil gaúcha, lembrando que a instituição continuou atuando como sempre, sem os dois órgãos.

Um dos motivos da separação é financeiro. O orçamento, hoje, vem para a BM, que define as prioridades. O dinheiro repassado ao Corpo de Bombeiros é a título de verba de custeio, para pagamento de água, luz e telefone, e os bombeiros são mantidos pelo Fundo Municipal de Reequipamento de Bombeiros (Funrebom), uma taxa repassada pela Prefeitura. “Assim mesmo, essa taxa tem que ser programada”, ressaltou. “Não tem dinheiro para pronto emprego, ou seja, se algum equipamento quebrar, temos que esperar o orçamento do próximo ano”.

O efetivo pequeno pode ser suprido com horas-extras, mas como a BM também sofre com problemas de efetivo, as horas acabam sendo usadas pelos PMs, de forma que os programas e verbas federais vão direto para a corporação.

O tema da separação dos Bombeiros e BM ficou em evidência depois do incêndio no Mercado Público de Porto Alegre e tragédia na boate Kiss.

   
O Portal ClicSoledade não se responsabiliza pelo uso indevido dos comentários para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade desse as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causadas ou não por este uso inadequado.

Publicidade