Soledade retorna para bandeira vermelha após análise de recurso pelo Estado

Vigência vai do dia 14 a 20 de julho, onde comércio não essencial tem atendimento por meio eletrônico, telentrega ou pague e leve

Por Redação em 13/07/2020

   

(Foto: Reprodução / Facebook)
Soledade retorna para bandeira vermelha após análise de recurso pelo Estado

O Governo do Estado fez a divulgação do posicionamento final com relação ao distanciamento controlado. A informação foi apresentada durante live no final desta segunda-feira, 13/7, onde após período para interposição de recursos e análise técnica, Soledade retorna a bandeira vermelha, com restrições mais rígidas para diferentes atividades.

Especialmente para o comércio varejista não essencial, somente é permitido o atendimento por meio eletrônico, por telentrega e agora também no sistema pague e leve, não sendo permitido ao cliente acessar o ambiente da loja. Informações mais específicas de cada um dos setores, com detalhes do que é permitido ou não, pode ser consultado no site www.distanciamentocontrolado.rs.gov.br.

Conforme é previsto no protocolo de distanciamento controlado, aqueles municípios que estão na bandeira vermelha e que não tem registro de hospitalização e óbito por Covid-19 de algum morador nos últimos 14 dias e que mantenham rigorosamente atualizados os registros nos sistemas oficiais poderão adotar, por meio de regulamento próprio, protocolos para as atividades previstas na bandeira laranja.

Segundo dados expostos pelo governador Eduardo Leite, atualmente 10 regiões estão na bandeira vermelha, sendo que as demais se encontram na bandeira laranja. A vigência vai do dia 14 até 20 de julho, onde devem ser respeitadas as medidas previstas nos protocolos de distanciamento controlado. Atualmente, o índice de ocupação de leitos de UTI no Estado é de 73,6%.

   
O Portal ClicSoledade não se responsabiliza pelo uso indevido dos comentários para quaisquer que sejam os fins, feito por qualquer usuário, sendo de inteira responsabilidade desse as eventuais lesões a direito próprio ou de terceiros, causadas ou não por este uso inadequado.

Publicidade