16/02/2020

Vozes que ecoam e dão vida ao XIII Rodeio Internacional de Soledade

Trabalho do narrador é imprescindível e hoje muitas pessoas se dedicam exclusivamente para esta atividade
   

Impossível imaginar um rodeio e não vir a mente aquelas vozes rápidas e que animam quem assiste as provas campeiras. O trabalho do narrador é imprescindível e hoje muitas pessoas se dedicam exclusivamente a esta atividade, e que, por vezes, ficam longe de casa por dias ou semanas viajando de cidade em cidade.

Gustavo Sartori de Moraes é prata da casa e já viajou o Brasil narrando rodeios. “Goias, Santa Catarina, Mato Grosso, Bahia são alguns Estados que tive a grata satisfação de ser convidado a trabalhar. Eu estou nesta atividade há 10 anos, onde larguei o trabalho para me dedicar exclusivamente a isto”, conta.

Das 13 edições do Rodeio Internacional de Soledade, Gustavo trabalhou em 9 delas. “Sempre é bom estar em casa e receber os amigos e eles nos falam que se sentem bem aqui. Neste ano estamos em seis, onde além e mim, está o Vitor César, de Ibirubá, Tiago Bagioto, de Santa Cruz do Sul, Felipe Freitas, do Lagão, Jefferson Munaretto, de Nova Prata, e Jonatas Reis, de Tamandaí”, informa.

Por fim, ele parabeniza a organização do rodeio e que é conhecido no Estado. “Vem competidores bons para o Internacional de Soledade, temos aqui, inclusive, o campeão da Vacaria. Outra característica é que se tem uma distribuição melhor dos prêmios, oportunizando que mais laçadores possam ganhar”, conclui.

O XIII Rodeio Internacional de Soledade vai entregar mais de R$ 100 mil em prêmios entre as provas artísticas e campeiras. O evento encerra neste domingo, 16/2, no Parque de Eventos Centenário Rui Ortiz e para mais informações, acesse o site www.rodeiosoledade.com.br e também curta a página no Facebook.


Redação
[email protected]

   
Comentários
Notícias Relacionadas